Vale do Capão

No meio do caminho entre Lençóis e o Capão, parei na pequeníssima Palmeiras, uma cidade esquecida no tempo, com um casario bem rústico, ruas de paralelepído e vida centrada na pequena praça central, com a sua igreja bem cuidada. Herança do passado de quando era um própero arraial, construído durante a fase da mineração.

Palmeiras foi meu ponto de base para conhecer um presente inacreditável da natureza: a SEGUNDA MAIOR queda d’água do Brasil. Mas se o título já impressiona, é impossível de acreditar quando se chega até lá e se descobre que a cachoeira que CORRE PARA CIMA. Sim! Localizada no fundo de um vale, a força do vento encanado faz com que a CACHOEIRA DA FUMAÇA inverta o seu sentido a meio caminho da queda.

Essa cachoeira é algo tão inacreditável que, passada a viagem, eu ainda olho os vídeos e continuo surpreso.

 

 

 

A trilha até a cachoeira é longa, podendo levar de 2 a 3 horas. A primeira parte da trilha é de intensidade média a alta, com subidas íngrimes por cima de pedras e caminho estreiro. A segunda parte, já na parte mais alta da montanha, é de intensidade leve pois a trilha cruza uma imensa planície descampada, de onde se tem vistas incríveis para os morros e vales da região. Chegando perto da cachoeira, a trilha continua leve, passando por meio de vegetação alta e córregos rasos.


( * * * )

( * * * )

( * * * )


 

 

[ VÍDEO ]

 

 

 

Tomar banho nesta cachoeira não é permitido. Primeiro por que está numa área de preservação ambiental; segundo por que a trilha oficial te leva até a parte superior da cachoeira, e o caminho até a sua base fica muito longe dali. E terceiro por que não deve ser muito confortável ficar debaixo de 340 metros de queda d’água.

Na saída da trilha da cachoeira da Fumaça, conheci uma comunidade de pessoas que, assim como alguns de nós em algum momento da vida, cansou da vida normal. Se mudaram para uma casa cercada pela natureza e propagam os ideais do veganismo.

Absorvi muito da idéia dessas pessoas. Admiro muito quem conseguiu fazer essa migração da vida na cidade para a vida isolada na natureza.

Durante essa viagem pelo interior da Bahia, eu fiquei muito chocado com a quantidade de terra que é usada para pasto e pecuária, em geral. São horas e horas de viagens de carro passando por imensas fazendas desmatadas que produzem muito pouco além de umas raras cabeças de boi. Embora eu não seja vegano, ter conhecido essa comunidade e visto de perto esse desperdício ambiental, me ajudou a tomar a decisão de não comer mais carne vermelha.

Confesso que também me ajudou muito a tomar essa decisão o pastel delicioso feito com palmito de jaca que comi lá e do qual eu já sinto muita falta :)

– fim fumaça –

[ pati + angelica ]

[poço encantado]

[ poço do diabo ]

[ estrada para mucugê ]

Advertisements
View All